O Ativista da nova era é uma comunidade de homens e mulheres de todas as raças e credos que em primeiro lugar querem melhorar suas vidas.

Badge

Carregando...

Produtos Naturais

Membros

"A CIÊNCIA PARA FICAR RICO"

Para aceder ao livro "A Ciência para Ficar Rico" clique na imagem.

Dê uma oportunidade a si mesmo. Leia o Livro e dê um novo Rumo à sua Vida.

Publicidade!

Fotos

Carregando...
  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Música

Carregando...

Porque vivo experiências “negativas”?

Esta é a pergunta que mais tenho respondido após lançar a ideia de nos unirmos numa comunidade de activistas da nova era. Homens e mulheres de todos os credos, raças e estratos sociais que queiram viver em conformidade com o mundo que desejariam viver. Apesar do folclore New Age estar em intensa actividade nas redes sociais poucos são os que predispõem a viver a vida que desejariam viver. Procura-se mais prevenir doenças ou precaver o futuro do que viver. Porquê?

Apesar de já ter habituado os meus leitores e a todos que me procuram diariamente a uma abordagem simples, clara e directa, este artigo mostra em poucas palavras como e porquê criamos experiências negativas.

Então porque vivo uma experiência “negativa”?

A falta de confiança na vida é raiz de todo o sofrimento. Apesar de ser absurdo não confiar na vida e no seu fluxo e processo, na verdade, esta é a causa que está por detrás de toda a experiência “negativa”. A falta de confiança na única coisa que não nos abandona desde a conceção até a última expiração.

Como é possível este comportamento tão incoerente e bizarro?

Esta conduta estranha predominante na sociedade “moderna”, princípio ativo da “ansiedade” e de todos os males que dela advêm, deve-se ao paradigma Newtoniano-Cartesiano dominante ainda no mundo moderno atual. Responsável pelo crescimento galopante de doenças como o cancro, a diabetes e todas as outras em desenvolvimento e expansão. 

Como parar esta crescente onda de sofrimento?

Somente o amor pode reverter uma onda de sofrimento, independentemente se a causa é a doença, a violência, ou a escassez financeira.

O que fazer?

Embora cada Ser humano seja um ser único, com trajeto e experiências únicas; todos nascem com o objectivo de evoluir ou terminar algo que foi interrompido no passado. Todos são dotados de liberdade e poder divino para criarem a sua própria realidade e fazerem todas as mudanças que quiserem!

Como fazer?

VIVER! Confiar na vida e no seu fluxo e processo. Antes de continuar preciso lembrar uma lei da mecânica quântica “atrais na mesma densidade e frequência o que irradias”!

Em primeiro lugar é preciso entrar dentro da vida. Fazer parte da vida e do universo que a produz. Enfim, VIVER! Confiar na vida e no seu fluxo e processo. Somente assim se entra em contacto com a vida e com a verdadeira dimensão divina e humana. ATENÇÃO: quando falo na dimensão divina refiro-me ao poder criador inerente a todo o ser humano, não a qualquer conceito religioso. “Deus não tem religião” afirmou ontem o Papa Francisco na sua visita ao campo de Auschwitz na Polónia.

O que impede o ser humano de confiar na vida, viver e ser feliz?

Como se criam experiências negativas?

Podia alegar-se que ao longo dos últimos 4000 anos a ignorância foi a peste que mais devastou e que fez sofrer a humanidade. E agora não deixa de ser a ignorância que faz a humanidade ter práticas tão bizarras e destrutivas contra ele mesmo. Mas vamos sair daqui e ir por uma vertente clara e comum ao ser humano, a baixo auto-estima

A baixo auto-estima é uma frequência de vitimismo que ao ser irradiada pela vítima, produz um campo eletromagnético criador de todas as espécies de experiências nefastas.

Como é gerada uma baixo auto-estima?

Aqui estamos perante um paradoxo. Confiamos na ilusão dos sentidos (quando sabemos que nada é o que parece, “enganam”) e não confiamos no fluxo e processo da vida quando é tudo que possuímos e que nunca nos abandona ou engana.

Então vejamos, a baixo auto-estima é gerada por sentimentos de rejeição e abandono ou negação que possam advir das pessoas ou o meio em que estamos inseridos. Esta ilusão é gerada pelos princípios do paradigma dominante newtoniano-cartesiano, e o íman pelo qual o indivíduo atrai para a sua vida aquilo que experimenta.

Este artigo com pouco mais de seiscentas palavras mostra como criamos o que não queremos. Se sentes que chegou a hora de mudar a realidade que experimentas, junta-te! Não estás só. Há mais como tu. Sê bem-vindo à comunidade da vida. Faz da vida uma festa!

António

http://solucaoperfeita.com/omanualdegestaodestress/

 

Exibições: 254

Comentar

Você precisa ser um membro de Ativista da Nova Era para adicionar comentários!

Entrar em Ativista da Nova Era

© 2017   Criado por Antonio Teixeira Fernandes.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço