O Ativista da nova era é uma comunidade de homens e mulheres de todas as raças e credos que em primeiro lugar querem melhorar suas vidas.

Badge

Carregando...

Membros

"A CIÊNCIA PARA FICAR RICO"

Para aceder ao livro "A Ciência para Ficar Rico" clique na imagem.

Dê uma oportunidade a si mesmo. Leia o Livro e dê um novo Rumo à sua Vida.

Publicidade!

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Música

Carregando...

Funções bioquímicas e fisiológicas do magnésio – parte 2

Funções fisiológicas do magnésio

Na actividade e transmissão neuromuscular, o Mg2+ actua sinergicamente ou, em alguns casos, antagonisticamente com o cálcio. As suas propriedades de antagonismo cálcio, aplicadas ao nível das fibras musculares arteriais, dão-lhe um papel protetor nas cardiopatias isquémicas, problemas de ritmo e hipertensão arterial. Durante a contracção muscular compete com o cálcio nos sítios da troponina, parvalbumina, miosina e calmodulina.

Mg2+ tem acção na libertação de histamina dos mastócitos, na libertação de acetilcolina dos nervos terminais colinérgicos e tem um poder sedativo. Tem a particularidade de reduzir as concentrações de dopamina, adrenalina e noradrenalina o que o torna num mineral anti-stress.

O mineral tem um papel crucial na modulação da resposta das células B à glicose por interferência com a permeabilidade ao potássio. É importante na síntese da insulina, sendo considerado por alguns autores como um 2º mensageiro da acção da insulina.

Paolisso e col., acerca de um estudo realizado em 8 diabéticos idosos não insulinodependentes com obesidade moderada, concluíram que a administração de magnésio pode ser um adjuvante útil aos agentes hipoglicémicos clássicos, no tratamento dos diabéticos não insulinodependentes, por aumentar a secreção de insulina, contribuindo assim para a melhoria do controlo metabólico.

Na síntese da paratormona intervém o Mg2+. Este, é ainda necessário ao funcionamento da 11-hidroxilase, enzima interveniente na síntese do cortisol e da aldosterona.

Ao nível do aparelho cardiovascular actua como protector, deprimindo a condutibilidade e irritabilidade do miocárdio.

No sistema de homeostase sanguínea actua como factor antitrombótico . o Mg2+ opõe-se assim a agregação plaquetária por um mecanismo competitivo antagonista com o cálcio, o que foi observado “in vitro”. Este ião atrasa a formação de fibrina por uma acção ao nível da protrombina, factores V, VII e, sobretudo, factores IX e XII.

O Mg2+ serve como catalizador no metabolismo do fósforo e acido pirúvico.

A administração simultânea de Mg2+ e flúor reduz o flúor disponível para o crescimento de ratos, o que pode também explicar o melhoramento da fluorose nos porquinhos-da-Índia.

O Mg2+ é também importante nos seguintes sistemas: sistema da anidrase carbónica e génese do amoníaco; Sistema nervoso central, pelo seu efeito anestésico e narcótico; participação nos sistemas de defesa do organismo, por estimulação da síntese de anticorpos e Interferon; sistema ósseo, pela sua acção na calcificação, inibindo a precipitação do fosfato de cálcio.

Fahin e col. estudaram o efeito de variações do Mg2+ e Mn da dieta, na razão de crescimento e metabolismo de ratos. Concluíram que, restrições de Mg2+ e/ou Mn na dieta reduzem significativamente a razão de crescimento dos ratos e que o Mn pode ser substituído pelo Mg2+, em caso de dietas deficientes naquele mineral.

Durlach e col., a partir do estudo do âmnio humano isolado, demonstraram haver um antagonismo entre o Mg2+ e o chumbo por libertação dos sítios da membrana saturados pelo metal tóxico. Esta propriedade é importante porque, durante a gravidez o magnésio, quer alimentar, quer hídrico pode proteger o âmnio contra os efeitos nocivos do metal cancerígeno e assegurar o trânsito normal dos elementos nutritivos para o feto. Bara, para além destes efeitos, refere ainda que o Mg2+ e a taurina actuam como activadores da transferência iónica, podendo haver um efeito compensador da taurina na ausência de Mg2+ e vice-versa.

Fonte: Baptista, A. M. (1991). MAGNÉSIO: seu papel biológico, nutrição e patologia. pp. 11-14.

Exibições: 6

Comentar

Você precisa ser um membro de Ativista da Nova Era para adicionar comentários!

Entrar em Ativista da Nova Era

© 2019   Criado por Antonio Teixeira Fernandes.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço