O Ativista da nova era é uma comunidade de homens e mulheres de todas as raças e credos que em primeiro lugar querem melhorar suas vidas.

Badge

Carregando...

Membros

"A CIÊNCIA PARA FICAR RICO"

Para aceder ao livro "A Ciência para Ficar Rico" clique na imagem.

Dê uma oportunidade a si mesmo. Leia o Livro e dê um novo Rumo à sua Vida.

Publicidade!

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Música

Carregando...

Happy children having fun

As Qualidades da Criança

A experiência da infância persegue as pessoas inteligentes ao longo das suas vidas. Elas têm o desejo de a recuperar – a mesma inocência, o mesmo deslumbramento, a mesma beleza. Não se trata de um eco distante; é como se a tivéssemos visto num sonho.

Não é por coincidência que todas as religiões do mundo retêm em parábolas a ideia de que o Homem viveu em tempos no paraíso e, por qualquer motivo, foi expulso de lá. São diferentes histórias, diferentes parábolas, que significam uma mesma e simples verda­de: são um modo poético de dizer que todo o ser humano nasceu no paraíso e depois o perdeu. Os atrasados mentais, os imbecis, esquecem-no por completo. No entanto, toda a religião nasceu da experiência avassaladora do deslumbramento, da verdade, da beleza, da vida infantil em toda a sua envolvência. No canto das aves, nas cores do arco-íris, no aroma das flores, a criança continua a recordar no fundo do seu ser que perdeu um paraíso.

Mas os seres inteligentes, sensíveis e criativos continuam a ser perseguidos pelo paraíso que conheceram em tempos e de que agora apenas têm uma ténue recordação inacreditável. E come­çam a procurá-lo de novo.

A procura do paraíso é a procura da nossa infância. E claro que o nosso corpo já não é de criança, mas a nossa consciência activa pode ser tão pura como a consciência activa da criança.

É este o segredo do caminho místico: tornarmo-nos de novo crianças, inocentes, não poluídos por qualquer conhecimento, sem saber nada, sempre atentos a tudo o que nos rodeia, com um profundo encanto e a sensação de um mistério impossível de des­mistificar.

 

A Capacidade de Brincar

 

Ninguém deixa os filhos dançar, cantar, gritar e saltar. E as­sim, por motivos triviais – pode-se partir alguma coisa, ou a chuva pode molhá-los se forem para a rua -, destrói-se por completo uma grande qualidade espiritual, a capacidade de brincar.

A criança obediente recebe elogios dos pais, dos professores, de todos; e a criança brincalhona é condenada. As suas brincadeiras podem ser totalmente inofensivas, mas ela é condenada porque a rebelião contém um perigo potencial. Se a criança continuar a crescer com Liberdade total para ser brincalhona, passará a ser rebelde. Não será facilmente escravizada; não será facilmente in­cluída em exércitos para destruir pessoas ou para ser destruída.

A criança rebelde transformar-se-á num jovem rebelde. E os pais não conseguirão obrigá-lo a casar; não poderão obrigá-lo a arranjar um emprego qualquer; não conseguirão forçá-lo a reali­zar os desejos e anseios que eles próprios deixaram por concreti­zar. O jovem rebelde seguirá o seu próprio caminho. Viverá a vida de acordo com os seus desejos mais íntimos – e não segundo os ideais dos outros.

Por todos estes motivos, a capacidade de brincar é abafada, esmagada logo no início. A natureza do indivíduo nunca tem o direito de exprimir a sua vontade. A pouco e pouco, passa a trans­portar uma criança morta dentro de si. Essa criança morta destrói o seu sentido de humor: não consegue rir com gosto, não conse­gue brincar, não consegue apreciar as coisas boas da vida. Torna-se tão sério que a sua vida, em vez de se expandir, começa a encolher.

 

A vida devia ser, em cada momento, de uma criatividade preci­osa. O que criamos não interessa – podem ser apenas castelos de areia na praia -, mas tudo o que fazemos devia vir da nossa ale­gria e capacidade de brincar.

 

A Inteligência

 

A inteligência não é algo que seja adquirido; ela cresce dentro de nós, é inata. E intrínseca à própria vida. As crianças não são os únicos seres inteligentes; os animais e as árvores também o são à sua maneira. E claro que todos eles têm tipos de inteligência diferentes, visto que as suas necessidades também diferem, mas hoje em dia é um dado adquirido que toda a vida é inteligente. A vida não pode existir sem inteligência; estar vivo é sinónimo de ser inteligente.

Porém, o Homem encontra-se num dilema pela simples razão que não só é inteligente, como tem consciência da sua inteligên­cia. É algo de único no ser humano, é o seu privilégio, a sua prerrogativa, a sua glória, mas pode transformar-se muito facil­mente na sua agonia. 0 Homem tem consciência de que é inteligente; e essa consciência activa traz-lhe problemas. O primeiro proble­ma consiste no facto de dar origem ao ego.

O ego existe apenas nos seres humanos e começa a crescer a par do crescimento da criança. Os pais, as escolas, a universidade, todos ajudam a fortalecer o ego pela única e simples razão que o Homem teve de lutar para sobreviver, e a ideia transformou-se numa fixação, um profundo condicionamento inconsciente de que só os egos fortes podem sobreviver na luta pela vida. A vida pas­sou a ser uma mera batalha pela sobrevivência. E os cientistas ain­da tornaram isso mais convincente com a teoria da sobrevivência do mais forte. Deste modo, ajudamos todas as crianças a desenvolve­rem egos cada vez mais fortes, e é aí que reside o problema.

À medida que o ego se torna forte, começa a rodear a inteligên­cia como uma espessa camada de escuridão. A inteligência é luz, e o ego é escuridão. A inteligência é muito delicada, e o ego é muito duro. A inteligência é como um botão de rosa, e o ego como uma rocha. E se quisermos sobreviver, dizem – os ditos sábios -, temos de ser fortes, invulneráveis. Temos de nos transformar numa cidadela, numa cidadela fechada, para não ser possível que nos ataquem do exterior. Temos de nos tornar impenetráveis.

Mas depois ficamos fechados. Depois começamos a morrer em termos de inteligência, porque a inteligência necessita do céu aberto, do vento e do sol para crescer, para se expandir, para fluir. Para se manter viva, ela precisa de um fluxo constante; se estagnar, vai-se transformando lentamente num fenómeno inerte.

Não deixamos as crianças permanecerem inteligentes. Para começar, se forem inteligentes passarão a ser vulneráveis, serão delicadas, abertas. Se forem inteligentes, poderão ver muitas falsi­dades na sociedade, no Estado, na Igreja, no sistema educativo. Tornar-se-ão rebeldes. Serão indivíduos; não se deixarão intimi­dar facilmente. Podemos esmagá-las, mas não podemos escravizá-las. Podemos destruí-las, mas não podemos obrigá-las a ceder. Num certo sentido, a inteligência é muito suave, semelhante a um botão de rosa, mas noutro sentido tem a sua força própria. Porém, essa força é subtil, não é grosseira. Essa força é a força da rebe­lião, de uma atitude de não cedência. A pessoa não está disposta a vender a alma.

Se observar as crianças, não me perguntará – verá a inteli­gência delas. Sim, elas não têm conhecimentos acumulados. Se quisermos que elas tenham conhecimentos acumulados, então não pensaremos que são inteligentes. Se lhes fizermos pergun­tas que dependam da informação, elas não parecerão inteli­gentes. Mas se lhes fizermos perguntas verdadeiras, que não tenham nada a ver com informação, que exijam uma resposta imediata, veremos que são muito mais inteligentes do que nós. É claro que o nosso ego não nos permite aceitar este facto, mas se conseguirmos aceitar, isso ajudará imenso. Isso ajuda-o e ajuda os seus filhos, pois poderá aprender muito com eles se conseguir ver a sua inteligência.

Embora a sociedade destrua a inteligência, não o pode fazer totalmente; ela limita-se a encobri-la com muitas camadas de infor­mação.

E é essa a função da meditação: levar-nos ao mais fundo de nós. É um método de escavar no nosso ser até ao ponto em que chegamos às águas vivas da nossa inteligência, em que descobri­mos a nascente da nossa inteligência. Depois de voltar a descobrir a criança dentro de si, e só então, compreenderá por que razão saliento repetidamente que as crianças são verdadeiramente inte­ligentes.

 

A mãe estava a preparar o pequeno Pedro para ir a uma festa. Quando acabou de o pentear, endireitou-lhe o colarinho e disse:

–    Vai, filho. Diverte-te… e porta-te bem!

–    Vá lá, mãe! – respondeu o Pedro. – Por favor, antes de eu sair, decida se quer uma coisa ou a outra!

 

Estão a perceber? A mãe disse: “Diverte-te… e porta-te bem!” A questão é que não é possível fazer as duas coisas. E a resposta da criança tem um valor enorme. Ela diz: “Por favor, antes de eu sair, decida se quer uma coisa ou a outra. Se me deixar divertir-me, não me posso portar bem; se quiser que me porte bem, não me posso divertir.” A criança percebe perfeitamente a contradi­ção; mas esta talvez não tenha sido nítida aos olhos da mãe.

 

Um transeunte pergunta a um rapaz:

–    Meu filho, podes dizer-me que horas são?

–    Claro – responde o rapaz -, mas para que serve? O tempo está sempre a mudar!

 

Puseram um novo sinal de trânsito à frente da escola. Dizia: “Abrande. Não Mate um Aluno!”

No dia seguinte, havia outra placa por baixo desta, escrita com uma caligrafia infantil: “Espere pelo Professor!”

 

O pequeno Pierino vem da escola e chega a casa com um grande sorriso nos lábios.

–    Olá, meu querido, pareces estar muito feliz. Gostas da escola?

–    Que parvoíce, mãe – responde o rapaz. – Não devemos con­fundir a ida com o regresso!

 

Enquanto se dirige lentamente para a escola, o rapazinho vai a rezar: “Meu Deus, peço-Vos que não me deixeis chegar tarde à escola. Peço- Vos, meu Deus, fazei com que chegue à escola a horas…”

Nesse momento, escorrega numa casca de banana e desliza al­guns metros pelo passeio. Endireita-se, olha para o céu com ar abor­recido e exclama:

–    Pronto, pronto, Deus, não é preciso empurrar!

 

A jovem professora escreveu no quadro negro: “Não diverti-me nada durante todo o Verão. “A seguir, perguntou às crianças:

–    Qual é o erro desta frase, e como deve ser corrigida? O pequeno Ernie gritou da última fila:

–    Arranje um namorado.

 

Um rapazinho está a fazer um teste no psicólogo.

–    O que queres ser quando cresceres? – pergunta o médico.

–    Quero ser médico, pintor ou lavador de janelas! – responde o rapaz.

Confuso, o psicólogo pergunta:

–    Mas… não tens muita certeza, pois não?

–    Porquê? Tenho a certeza absoluta. Quero ver mulheres nuas!

 

O pai estava na sala a contar histórias aos filhos a seguir ao jantar.

–    O meu bisavô lutou na guerra contra Rosas, o meu tio lutou na guerra contra o Kaiser, o meu avô lutou na guerra de Espanha con­tra os Republicanos e o meu pai lutou na Segunda Grande Guerra contra os Alemães.

Ao que o filho mais novo exclamou:

–    Bolas! O que é que tem esta família? Não conseguem dar-se com ninguém!

 

Do livro O LIVRO DA CRIANÇA, Uma Visão Revolucionária da Educação Infantil, de OSHO, Pergaminho

Fonte: http://solucaoperfeita.com/elisabete/as-qualidades-da-crianca

Exibições: 111

Comentar

Você precisa ser um membro de Ativista da Nova Era para adicionar comentários!

Entrar em Ativista da Nova Era

© 2019   Criado por Antonio Teixeira Fernandes.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço