O Ativista da nova era é uma comunidade de homens e mulheres de todas as raças e credos que em primeiro lugar querem melhorar suas vidas.

Badge

Carregando...

Membros

"A CIÊNCIA PARA FICAR RICO"

Para aceder ao livro "A Ciência para Ficar Rico" clique na imagem.

Dê uma oportunidade a si mesmo. Leia o Livro e dê um novo Rumo à sua Vida.

Publicidade!

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Música

Carregando...

Abeto-branco (Abies alba Miller) – Excelente para bronquíticos e reumáticos

ESTA magnífica árvore, bem poderia atribuir-se o título de “decano dos bosques”. Não só atrai a nossa atenção pelo seu porte grandioso e geométrico, mas também pela sua extraordinária longevidade, já que pode chegar a viver até 800 anos. Durante todo esse tempo, o abeto enche os bosques com o fresco aroma a terebintina, que tanto beneficia os bronquíticos e asmáticos que por eles passeiam.

Actualmente, tende-se a substituir a terebintina do abeto pela do pinheiro, possivelmente porque esta se torna mais fácil de recolher. Embora as suas propriedades sejam muito semelhantes, a terebintina do abeto é possivelmente mais aromática, até, do que a do pinheiro.

A resina do abeto, ou terebintina, acumula-se durante a Primavera, debaixo da casca e nas gemas. Quando se pratica uma incisão na casca, brota então com a fluidez de um óleo, cujo cheiro faz lembrar o do limão, mas de sabor amargo. Esta resina pode-se destilar, com o que se obtém a essência de terebintina ou aguarrás.

Precauções: A inalação ou ingestão de doses excessivas de terebintina, ou da sua essência, pode produzir irritação do sistema nervoso central, especialmente nas crianças.

Propriedades e Indicações:

Toda a planta contém tanino, óleo essencial, terebintina, e provitamina A. A terebintina, é uma oleorresina que, aplicada externamente, possui as seguintes propriedades:

– Balsâmica, anti-séptica e expectorante: Por isso é muito indicada nas das vias respiratórias: sinusite, traqueíte, bronquite, pneumonia e asma. Facilita a expulsão das mucosidades e regenera a mucosa que reveste vias respiratórias (3).

– Revulsiva (atrai o sangue para a pele e descongestiona os órgãos e tecidos internos), anti-reumática e vulnerária (sara as feridas e as contusões). Alivia as dores reumáticas, a ciática, o lumbago e o torcicolo. Desinflama as articulações que tenham sofrido um entorse, assim como as contusões e dores musculares em geral. Limpa as feridas infectadas e as úlceras da pele (3).

Ingerida por via oral (1,2), a terebintina do abeto, ou a sua essência, actuam de forma igualmente benéfica sobre os órgãos respiratórios. Além do mais, é diurética, anti-séptica urinária, e usa-se como preventivo da formação de cálculos e areias nas vias urinárias.

Abeto-do-canadá

Na América do Node cria-se o abeto-do-canadá (Abies balsamea Miller = Abies canadensis L.)*,- de cuja resina se obtém o chamado bálsamo do Canadá. Este bálsamo possui as mesmas propriedades que as da terebintina do abeto branco, pelo que as suas aplicações medicinais são as mesmas.

Além disso, o bálsamo do Canadá usa-se para facilitar os exames microscópicos de laboratório, pelas suas características ópticas especiais.

*Esp.: abeto del Canadá.

Preparação e emprego

Uso interno

1-Infusão de 30-40 g de gemas por litro de água, de que se ingerem 3 ou 4 chávenas diárias. As gemas do abeto-branco são pegajosas por conterem muita terebintina, especialmente durante a Primavera.

2-Terebintina ou a sua essência: 3 a 5 gotas, três vezes ao dia.

Uso externo

3-Terebintina ou a sua essência: aplica-se em forma de banhos (de grande alívio para reumáticos e asmáticos), fricções, banhos de vapor ou inalações.

Sinonímia científica: Abies pectinata Lam.

Outros nomes: abeto-pectinado, pinheiro-alvar. Esp.: abeto blanco, abete. Fr.: sapin blanc, sapin pectiné. lng,: fir, silver fir.

Habitat: Regiões montanhosas da Europa Central e Meridional. Na América existem espécies similares.

Descrição: Árvore da família das Pináceas, que chega a atingir 50 m de altura. O seu tronco cresce aprumado, com uma casca lisa e acinzentada. Dá flores masculinas e femininas sobre a mesma árvore. Produz pinhas de uns 5 cm de grossura, que, à medida que amadurecem, vão libertando os pinhões e as escamas. O seu aroma faz lembrar o do limão; o seu sabor é um pouco acre.

Partes utilizadas: as gemas e a resina (terebintina).

Fonte: A Saúde pelas Plantas Medicinais, Vol.1,  de Jorge D. Pamplona Roger

Exibições: 5

Comentar

Você precisa ser um membro de Ativista da Nova Era para adicionar comentários!

Entrar em Ativista da Nova Era

© 2019   Criado por Antonio Teixeira Fernandes.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço