O Ativista da nova era é uma comunidade de homens e mulheres de todas as raças e credos que em primeiro lugar querem melhorar suas vidas.

Badge

Carregando...

Membros

"A Ciência para Ficar Rico"

Publicidade!

Fotos

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Música

Carregando...

A história da Insulina Magnésio

O magnésio é um elemento básico para a vida e está presente em forma iônica em todo o panorama da fisiologia humana . Sem insulina , porém, o magnésio não é transportado do nosso sangue para as nossas células, onde é mais necessário. Quando o Dr. Jerry Nadler da Gonda Diabetes Center , no City of Hope Medical Center em Duarte , Califórnia, e seus colegas colocaram 16 pessoas saudáveis, ​​em dietas deficientes de magnésio, a sua insulina tornou-se menos eficaz na obtenção de açúcar do seu sangue, para as suas células , onde é queimado ou armazenado como combustível. Em outras palavras, eles tornaram-se menos sensíveis à insulina , ou o que é chamado resistentes à insulina. E esse é o primeiro passo no caminho para os diabetes e doenças cardíacas.

A insulina é um denominador comum, uma figura central na vida como é o magnésio. A tarefa da insulina é armazenar o excesso de fontes nutricionais. Este sistema é um desenvolvimento evolucionário usado para economizar energia e outras necessidades nutricionais em tempos (ou horas) de abundância, a fim de sobreviver em tempos de fome. Mas nós pouco apreciamos que a insulina não é apenas responsável por regular a entrada de açúcar nas células, mas também de magnésio, uma das substâncias mais importantes para a vida. É interessante notar aqui que os rins estão trabalhando fisiologicamente no extremo oposto, despejando o excesso de nutrientes no sangue, que o corpo não precisa ou não pode processar no momento.

Controlar o nível de açúcar no sangue é apenas uma das muitas funções da insulina.

A insulina desempenha um papel central no armazenamento de magnésio, mas se as nossas células se tornam resistentes à insulina, ou se não produzem insulina suficiente, então nós temos um momento difícil em armazenar magnésio nas células, onde ele pertence. Quando o processamento de insulina torna-se problemático, o magnésio é excretado através da nossa urina, e esta é a base do que é chamado de magnesium wasting disease  (doença de desperdício de magnésio).

Há uma forte relação entre o magnésio e a ação da insulina. O magnésio é importante para a eficácia da insulina. A redução de magnésio nas células reforça a resistência à insulina.

As concentrações intracelulares baixas de magnésio sérico, estão associados com a resistência à insulina, diminuição da tolerância à glicose, e diminuição da secreção de insulina . O magnésio aumenta a sensibilidade à insulina, reduzindo assim a resistência à insulina. Magnésio e insulina precisam um do outro. Sem magnésio o nosso pâncreas não segrega insulina suficiente, ou a insulina que segrega não é suficientemente eficiente para controlar a glicemia.

O Magnésio nas nossas células ajuda os músculos a relaxar, mas se não podemos armazenar magnésio porque as células são resistentes, então perdemos magnésio, que faz com que os vasos sanguíneos se contraiam , afetando os nossos níveis de energia, e provocando um aumento na pressão arterial. Começamos a compreender a íntima conexão entre o diabetes e as doenças cardíacas, quando olhamos para o circuito fechado entre o declínio nos níveis de magnésio e a diminuição da eficiência da insulina .

Apesar de que seria talvez de grande distância comparar a insulina com a clorofila, estamos caminhando uma trilha no núcleo central da vida. É a trilha do magnésio e descobrimos , para nossa surpresa, que ela nos leva em contato íntimo com a própria estrutura e fundamentação da vida. A dedicação deste capítulo é a beleza do magnésio, ao seu significado na vida, na saúde e na medicina.

Nós estávamos falando sobre a clorofila, e agora insulina, e colocando o magnésio no meio. Andando mais adiante, é a história do DHEA magnésio e a história do DNA magnésio. E depois há a história do colesterol magnésio. Cada parte da vida está em amor com o magnésio , exceto a medicina alopática, que só não pode aceitá-la em toda a sua luz, chama e beleza. Há milhares de anos os chineses nomearam-no ” o belo metal” e eles estavam vendo algo farmacêutico, que a medicina não quer ver porque há pouco dinheiro para ser feito a partir de algo tão comum.

Num estudo em Taiwan, o risco de morte por diabetes foi inversamente proporcional ao nível de magnésio na água.  Dr. Jerry L. Nadler

Dr. Jerry Nadler da Gonda Diabetes Center , na City of Hope Medical Center em Duarte, Califórnia, e os seus colegas colocaram 16 pessoas saudáveis, ​​em dietas deficientes de magnésio, a sua insulina tornou-se menos eficaz na obtenção de açúcar do seu sangue, para as suas células , onde é queimado ou armazenado como combustível. Em outras palavras, eles tornaram-se menos sensíveis à insulina.

A insulina regula os níveis de colesterol . Há uma ligação directa entre o nível de colesterol e o nível de insulina.

O magnésio é necessário tanto para a acção da insulina quanto do fabrico de insulina. O magnésio é um elemento básico para a vida e está presente em forma iônica em toda o panorama da fisiologia humana. Sem insulina, porém, o magnésio não é transportado do nosso sangue para as nossas células, onde é mais necessário.

A diabetes mellitus está associada com a depleção de magnésio, que, por sua vez contribui para as complicações metabólicas da diabetes incluindo doenças vasculares e osteoporose. A depleção intracelular está diretamente ligada diminuição da capacidade da insulina em aumentar o magnésio intracelular durante a deficiência de insulina ou resistência à insulina. A deficiência de magnésio, por si só tem sido relatada como resultando em resistência à insulina.

A resistência à insulina e a depleção de magnésio resulta num ciclo vicioso de agravamento da resistência à insulina e redução intracelular de magnésio, o que limita o papel do magnésio em processos celulares vitais . O magnésio é um importante co-factor das enzimas envolvidas no metabolismo de hidratos de carbono; então, algo que ameace os níveis de magnésio, ameaça igualmente todo o metabolismo. Grandes estudos epidemiológicos em adultos indicam que  dietas baixas em magnésio, e taxas baixas de magnésio sérico, estão associados com o aumento do risco em desenvolver diabetes tipo 2 .

A redistribuição de magnésio pelas células, pode causar níveis baixos de magnésio sérico. A insulina provoca este efeito.

Pesquisadores do Instituto de Medicina Interna da Universidade de Palermo , escreveram: ” a concentração de magnésio intracelular também tem sido demonstrada ser eficaz na modulação da ação da insulina (principalmente no metabolismo oxidativo da glicose), compensando o acoplamento  entre cálcio-relacionado  e excitação-contração, e diminuindo a capacidade de resposta das células para estímulos despolarizantes. Uma fraca concentração intracelular de Mg, como encontrado em pacientes com diabetes mellitus não insulino-dependentes ( DMNID ), e em doentes hipertensos, podem resultar numa actividade defeituosa da tirosina – quinase ao nível do receptor de insulina e exagerada concentração intracelular de cálcio”.

A ligação entre diabetes mellitus e deficiência de magnésio é bem conhecida. Um crescente corpo de evidências sugere que o magnésio desempenha um papel fundamental na redução dos riscos cardiovasculares e pode estar envolvido na patogênese da diabetes em si. Dr. Jerry L. Nadler

O Magnésio melhora  e ajuda à correcta sensibilidade à insulina, que é o elemento fundamental que caracteriza a pré-diabetes, o síndrome metabólico e a dupla – diabetes e doenças cardíacas. Uma enzima intracelular chamada tirosina quinase requer magnésio para permitir que a insulina para exercer o seu efeito de baixar o açúcar no sangue. Em vários estudos, a suplementação diária oral de magnésio, melhorou substancialmente a sensibilidade à insulina em 10% e reduziu o açúcar no sangue em 37% . O magnésio também ajuda a corrigir os padrões anormais de lipoproteínas. Nós esperaríamos encontrar melhorias maiores neste aumento da sensibilidade à insulina se o magnésio fosse complementado de forma correta significando isso, através de métodos transdérmicos e orais combinados, usando cloreto de magnésio líquido (óleo de magnésio) em comparação com as formas sólidas orais muito ineficientes comumente usadas.

A melhoria da sensibilidade à insulina pela reposição de magnésio pode reduzir significativamente os níveis de triglicéridos. A redução da disponibilidade de triglicéridos, por sua vez, reduz as partículas ricas em triglicéridos, como lipoproteínas de muito baixa densidade ( VLDL) e lipoproteínas de pequena baixa densidade( pequena LDL ), ambos contribuintes poderosos para doenças cardíacas. A suplementação de magnésio também pode aumentar os níveis de lipoproteínas benéficas de alta densidade ( HDL ).

A insulina regula os níveis de magnésio intracelular através da ativação da troca Na + / Mg 2 +. O efeito da insulina sobre a troca Na / Mg pode explicar os baixos níveis de magnésio celular observados in vivoem condições hiper insulinemicas.

O magnésio é um elemento necessário para todos os organismos vivos, tanto animais e vegetais. A Clorofila é estruturada em torno de um átomo de magnésio, enquanto em animais o magnésio é um componente-chave das células, ossos, tecidos e praticamente todos os processos fisiológicos que você pode pensar. O magnésio é primeiramente um catião intracelular; cerca de 1 % de magnésio em todo o corpo encontra-se extracelularmente, e a livre fracção intracelular é a porção que regula a série de reações químicas  das enzimas dentro das células. A Vida “empacota” o magnésio “ciosamente” dentro das células, cada gota dele é preciosa.

Adicionando a história dos glóbulos vermelhos e a hemoglobina, que substituem o magnésio como centro da molécula de clorofila, com o ferro,  para a função do transporte de O2 e de CO2, mas mantém o magnésio em outros papéis cruciais, e nós estamos no eixo essencial da vida que a medicina alopática pode resolver com terapias intensivas de magnésio.

O Magnésio melhora a sensibilidade à insulina, reduzindo assim a resistência à insulina. Magnésio e insulina precisam um do outro . Sem magnésio, o nosso pâncreas não segrega insulina suficiente, ou a insulina que segrega não será suficientemente eficiente para controlar a glicemia. A insulina é uma hormona . E como muitas hormonas, a insulina é uma proteína. A insulina é segregada por grupos de células no pâncreas chamadas ilhotas de Langerhans. A insulina é muito mais importante e tem muito mais funções do que nós nos apercebemos . Ela regula :

  • expectativa de vida – os níveis mais baixos de insulina equivalem a uma vida mais longa.
  • açúcar no sangue
  • lipídios no sangue
  • excesso de nutrientes ( de glicose , carboidratos e calorias ) e os converte em gordura
  • constrói o músculo
  • armazena proteínas
  • níveis de magnésio em nosso corpo
  • níveis de cálcio no organismo
  • mantém os níveis de sódio
  • divisão celular
  • crescimento de hormonas
  •  funções do fígado
  • hormonas sexuais ,  estrógenio , progesterona, testosterona
  • colesterol no organismo
  • gordura em nosso corpo

O magnésio é um co-factor para várias enzimas envolvidas no metabolismo de hidratos de carbono. Células de adipócitos colocados em baixas concentrações de magnésio mostram uma redução da absorção de glucose estimulada por insulina.

A deficiência de magnésio está associada com o aumento dos níveis de cálcio intracelular, o que pode levar à resistência  à insulina. Baixo teor de magnésio em eritrócitos aumenta a microviscosidade da membrana, o que pode prejudicar a interação da insulina com o seu receptor. A atividade da tirosina quinase é diminuída em receptores de insulina muscular de ratos alimentados com uma dieta pobre em magnésio. Estes resultados indicam que a deficiência de magnésio afeta diretamente a sinalização da insulina.

Quando os níveis de magnésio caiem, a hipersecreção de adrenalina e insulina compensam. A sua secreção aumentada ajuda a manter a constância dos níveis de magnésio intracelular nos tecidos moles. As concentrações plasmáticas e intracelulares de magnésio são fortemente regulados pela insulina. Estudos In vitro e in vivo demonstraram que a insulina modula a transferência de magnésio do espaço extracelular para o espaço intracelular.

Dr. Ron Rosedale diz que, “A insulina que flutua no sangue causa o acúmulo de placas. Eles não sabiam porquê, mas nós sabemos que a insulina causa a proliferação endotelial. Em cada passo do caminho, a insulina está causando a doença cardiovascular. Ela preenche o corpo com placas,ela contrae as artérias, ela estimula o sistema nervoso simpático, ela aumenta a aderência das plaquetas e coagulação do sangue”.

 

Dr. Mark Sircus, Ac., OMD, DM (P)

Director International Medical Veritas Association

Doctor of Oriental and Pastoral Medicine

 

Tradução por Elisabete Milheiro

 

Fonte:

http://solucaoperfeita.com/magnesio/historia-da-insulina-magnesio

Exibições: 71

Comentar

Você precisa ser um membro de Ativista da Nova Era para adicionar comentários!

Entrar em Ativista da Nova Era

© 2019   Criado por Antonio Teixeira Fernandes.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço